Siga-nos nas redes sociais

Entre em contato conosco através de:

(21) 2290-3605

admtransvictoria@gmail.com

Rua Marques de Oliveira, 185A Ramos
Rio de Janeiro / RJ

Edit

Funcionamento

Seg. a sex. 08:00 às 18:00
Sábado 08:00 às 13:00

Orçamento

4 Ações na gestão do transporte que são fundamentais para o sucesso da empresa

Não foi só a invenção do fogo que mudou a vida das sociedades antigas. Desde a invenção da roda, é inegável a influência dos meios de transporte na vida humana, justamente porque encurtou distâncias e facilitou a vida das pessoas.

Você já parou para pensar no tempo que levaria ao visitar um parente ou amigo no outro lado da cidade, se tivesse que ir a pé? Ou ainda: já se perguntou quantos seriam os dias e noites necessários para ir de norte ao sul do país a cavalo? Pois bem, isso no mundo moderno é impensável.

A globalização e todas as mudanças trazidas pela 4ª Revolução Industrial mudaram não só o estilo de vida da sociedade, mas também seus comportamentos enquanto consumidores. Neste viés, o transporte, que já era importante, tornou-se ainda mais do ponto de vista da estratégia, marketing e de sustentabilidade do negócio.

Isso porque receber a compra mais rápido, com qualidade, na quantidade correta, sem avarias e no custo ideal, é o que espera esse novo consumidor.

Nesse sentido a logística de transportes é sem dúvida diferencial competitivo para manter clientes fiéis e conquistar novos, melhorar as vendas e manter-se competitivo e saudável no mercado.

A função do gestor no mundo moderno
Gestão é um conceito alicerçado em quatro pilares: planejamento, organização, liderança e controle – função básica de um gestor que busca tirar o melhor proveito das estruturas, das tecnologias, do capital e das pessoas para alcançar as metas do negócio no curto, no médio e no longo prazo.

Gestores organizacionais neste mercado competitivo do presente século devem ter a compreensão exata e profunda do gerenciamento, não só dos custos, mas de toda a estratégia da cadeia.

Porém, não é algo simples, escrever é mais fácil que vivenciar. Para a maioria dos gestores existem muitas interrogações:

Por onde eu começo? Como fazer do transporte um diferencial, como enxugar os custos sem comprometer o nível de serviço estabelecido ou como fazer da logística de transporte um fator de encantamento?

Comece pelo planejamento, organize-se, lidere um time com o coração e controle os processos e custos com as Quatro ações que considero fundamentais para o sucesso do transporte em sua empresa.

  1. Escolha bem o modal e o modelo

A escolha do modal e do modelo de transporte ideal implica em avaliar impactos nos níveis de serviços acordados com os clientes e minimização dos custos.

Na escolha da modalidade mais adequada ao transporte deve-se levar em conta fatores como custos, a velocidade de locomoção e a confiabilidade de fornecimento. Analise, portanto:

Custos: Composto de elementos fixos, baseados no tempo e nos elementos variáveis baseados na distância. Cada modalidade possui seus custos inerentes, sendo que o transporte aéreo é o de maior custo e o ferroviário o de menor.

Velocidade: Cada modalidade envolve o cronograma (lead time) para completar o processo de entrega e a distância na qual os produtos serão movimentados. A modalidade aérea é mais rápida que a marítima em relação às distâncias médio-longas.

Confiabilidade: Reflete a habilidade de entregar consistentemente no tempo declarado e acordado, numa condição satisfatória. Quando um serviço não é confiável, os clientes devem aumentar o inventário e, consequentemente seus estoques.

Como você sabe a missão do transporte é deslocar mercadorias ou pessoas de um ponto de origem para um ponto de destino, com qualidade e garantia sobre a integridade da carga e a confiabilidade no que diz respeito aos prazos.

Escolher o modelo é tão importante como a escolha do modal de distribuição. Invista tempo e estudo quando for definir a:

  • Entrega será fracionada ou lotação;
  • Entrega será compartilhada ou exclusiva;
  • Localização dos armazéns;
  • Operação de cross-docking ou transit-point;
  • Frota será própria ou terceira;
  • Separação e embalagem da carga (picking e packing);
  • Terceirização será total ou parcial da logística (o que impacta diretamente no transporte e entrega).
  1. Acordo comercial do transporte

No transporte uma negociação bem feita é vital para o sucesso do negócio (do embarcador e do transportador). Ao sentar em uma mesa as duas partes devem ter ciência que o a satisfação do cliente deve ser o foco de ambas as partes; uma questão de sobrevivência. Não é uma relação de venda comum, mas uma parceria de ganha-ganha.

É necessário que se tenha:

Transparência: Nem sempre é assim, contudo, para que uma parceria seja duradoura, as contas devem ser feitas com clareza (planilha aberta). O contratante do frete (embarcador ou equiparado) deve conhecer os custos envolvidos no transporte e as margens/Mark-up praticados pelo transportador.

Clareza quanto aos custos: Para que não haja ônus para nenhum dos lados e todos ganhem com um atendimento perfeito, é preciso entender que nenhuma operação é igual à outra. Os veículos não são os mesmos, a estrutura de operação também não, muito menos os custos com alugueis e salários.

Atenção que o produto transportado não tem o mesmo valor agregado (tipos de carga), a frequência da carga muda o valor cobrado, modelo de operação, tempo de carga e descarga, frequência de pagamento do frete, ineficiências, particularidades de clientes, região atendida (tem retorno ou não?) e etc. Tudo isso são premissas variáveis a considerar.

Contrato de prestação de serviços: O contrato de prestação de serviços formaliza o acordo e fortalece a parceria, trazendo garantias para as partes envolvidas. O embarcador tem a segurança da operação e o transportador terá condições para contração de créditos, investindo na frota para atendimento.

Um bom contrato com cláusulas claras que contemplem todas as variáveis do processo deve ser redigido e operacionalizado.

  1. Gestão da carteira de pedidos e roteirização

Gestão da Carteira: Atender com excelência, mantendo o nível de serviço estipulado deve ser o foco na gestão do transporte. Para isso a gestão da carteira de pedidos é um fator de extrema importância para o transporte.

Aqui, entre outras ações, se determina como e quando será atendido cada cliente: suas particularidades, tamanho do pedido determinando o perfil do veículo entregador e o agendamento da entrega.

Alguns problemas como os destacados abaixo podem ser identificados e tratados na gestão da carteira de pedidos:

  • Carga que não coube no caminhão na hora da coleta;
  • Paletização da carga (clientes estratégicos exigem paletização “customizada”);
  • Agendamento da entrega (agendar a entrega para o momento ideal evita perdas com diárias e reentregas);
  • Agendamento da coleta (a coleta do produto alinhado com a entrega evita gastos com diárias e armazenagens no transportador).

Roteirização: uma vez que as transportadoras, muitas vezes em uma mesma viagem, irão entregar produtos diferentes para vários clientes, ou até mesmo em várias fábricas. Deve-se utilizar a Roteirização das entregas.

Existem no mercado softwares para auxiliar na definição da rota mais adequada de entrega, de forma a reduzir os custos de logística.

A Roteirização é um método de busca, da melhor sequência de visitas a um determinado número de clientes, no interior de uma zona de coleta ou distribuição, ou seja, sequência “otimizada” de entregas e coletas de produtos.

O ideal é que a empresa de transportes de cargas fracionadas conte com um software integrado e amigável para auxiliar na gestão da entrega. Com a roteirização consegue-se:

  • Redução de distância para realizar a entrega;
  • Reduzir o tempo para realizar a entrega;
  • Redução dos custos da entrega;
  • Dimensionar a carga e a frota;
  • Racionalizar o uso da mão-de-obra;
  • Controle amplo e abrangente de todo processo de carga e descarga;
  • Economia de combustíveis;
  • Controle de manutenção de frota, etc.
  1. Composição correta dos custos

A conta frete é responsável por até 70% do custo logístico e 20% do custo total da empresa, eis um excelente motivo para dar a devida atenção que esta conta merece.
Cada operação deve ser colocada sob análise, para que se compreendam seus custos, cada detalhe pode mudar o custo do frete.

Compondo um frete
Ao fazer uso de uma metodologia adequada para cálculo do custo do frete, contribui-se para formação de preços justos, tanto para empresa dona da carga quanto para o transportador. Faz-se necessário o estudo dos custos operacionais, classificando os tipos de cargas e serem transportadas e o modal ideal para o atendimento.

Tarifas de composição do frete:

Frete peso (Se a carga for “volumosa”, pode-se considerar o volume no lugar do peso) – Parcela de maior relevância na composição do frete. É constituído da soma dos custos fixos e variáveis;

Custos fixos: Salários encargos sociais e benefícios de motoristas e ajudantes, remuneração mensal do capital, oficina, licenciamento, seguro do equipamento e a depreciação do veículo e do equipamento e etc.;

Custos variáveis: Combustível, pneus e recauchutagens, lavagem e graxas, lubrificantes, peças, acessórios e materiais de manutenção e etc.

Frete valor ou ad-valorem: O Ad Valorem é calculado em cima do valor da carga. Agrega seguro na mercadoria que não está assegurada quando não está em tráfego, assegura contra riscos de acidentes e avarias;

Despesas administrativas e de terminais (DAT), (GRIS) – Taxa de gerenciamento de risco, Taxas adicionais ou generalidades e Pedágio são cobranças que podem acabar com sua conta frete.

Fonte: Clube logistico

Compartilhe nas redes

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Últimas postagens

NewsLetter

Assine nossa newsLetter e fique por dentro das novidades.

Continua com dúvidas sobre nossos serviços?

Entre em contato conosco, temos uma solução personalizada para te atender dentro das suas necessidades.

Open chat
Precisa de ajuda?